21 de novembro de 2016

Mudar de dentro para fora

Vendo a partida de hoje passamos a ter mais certeza de que precisamos mudar o clube de dentro pra fora urgente e deixar os próximos seis anos nas mãos erradas é deixar que o futebol acabe.

Precisamos mudar tudo no futebol. Desde 2013 não há nada que se possa aproveitar. Todo planejamento mal feito e mal executado. Péssimas contratações, péssimos elencos, péssimos treinadores. Muitos que estão aí tentando ser eleitos, tiveram sua participação e fracassaram. Está na hora de mudar isso.

Revisar Xerem que deve ser mais e melhor aproveitada. Não é possível que, por exemplo, os laterais de Xerem consigam ser piores que os que temos no profissional. Se são piores, algo no trabalho não está funcionando. Xerem precisa ser uma fábrica de talentos e esses talentos precisam ajudar ao profissional. Ter um sistema de olheiros que encontre no Brasil diamantes que lapidados tragam ao clube novos craques de verdade.

Reestruturar toda a organização do futebol, contratando profissionais que entendam do que fazem e possam dar ao elenco e a comissão técnica tranquilidade para trabalhar.

Ter uma comissão técnica permanente decente formada pelos melhores profissionais e que possam fazer o Flu dar um salto de qualidade no seu preparo físico, técnico, tático e psicológico.

Ter um treinador de ponta, maduro, campeão, competente e que possa montar um time que respeite as tradições do clube.

E finalmente, tendo um Departamento de Futebol organizado e com profissionais de ponta, montar um elenco que seja capaz de disputar e ganhar títulos sem passar vergonhas.

Urge mudar o clube. E queremos deixar de ser pedra e passar a ser vitrine. Liderar uma nova fase no futebol, livre de parasitas e de empresários que só visam lucro fácil. Essa camisa precisa ser honrada.

Esperança Tricolor

19 de novembro de 2016

A ponta do iceberg

Eu sigo com o mesmo voto: Cacá. Não mudei nada. Eu voto no Esperança Tricolor. Voto no Diogo. No Marcelo Souto nosso líder. Voto na história da família Horta. Voto no Antônio Gonzalez e no MR21. Voto no Flu 2050. E assim, confirmo: voto no Fluminense. Pensei toda semana sobre essa união do Cacá e Diogo, candidatos que nosso grupo apóia, e o Abad. Li muita injustiça de gente desinformada e que não entendeu a estratégia do grupo. Quem apóia o Cacá foi chamado de vendido, traidor, para dizer o mínimo.

Então vamos aos fatos. Primeiro falando especificamente do Esperança Tricolor. Seguimos na mesma linha. Não pedimos cadeiras em Conselhos. Não trocamos nosso apoio por vice presidências ou diretorias ou cargos remunerados simplesmente por apoiar. Não aceitaremos cargos se não temos em nossos quadros pessoas com competência para os mesmos. E aqui perguntamos aos que apóiam outros candidatos: ganharam algo em troca? Pediram cadeiras no Conselho? VPs? PJs? Exploração de quadras de tênis? Dos bares? Da academia? De escolinhas? Se sim, sejam honestos e corajosos e digam ao eleitor.

Agora falando da união. O acordo dá igualdade de poderes. O Cacá será o VP Geral e o procurador do Abad. Representará o clube nas negociações com o governo incluindo Maracanã e Impostos. Teremos o presidente do Conselho Fiscal. 2/3 da diretoria do CDel. Mesmo número de cadeiras da Flusócio no CDel. 50% do Conselho Diretor. Além disso há o compromisso de implementar o nosso planejamento. Tudo assinado e reconhecido em cartório.

Muitos que se meteram nessa eleição esquecem que o próximo gestor será responsável pela mudança do estatuto. Essa mudança vai gerir e criar o Fluminense dos nossos filhos e netos. Não é um tema menor. E pela primeira vez em 6 anos a Flusócio aceita dividir essa responsabilidade com outro grupo. Não serão hegemônicos. Não terão um Conselho "Homologativo". Eles podem roer a corda e trair o acordo? Podem.  Claro que sim. Mas se o fizerem estarão traindo não ao Cacá mas ao Fluminense. Eu tenho a teoria de que entre homens vale o fio de bigode. Só o tempo dirá.

Comparando os candidatos, admiro muito o grupo de apoio ao Celso. Acho pessoas do bem, honestas e não teria problema em votar nelas. São pessoas capazes e que visam o bem do Flu, como nós. Mas acho que falta ao Celso a modernidade que o clube precisa. Falta a ele ser um executivo moderno que saiba usar os melhores quadros e melhores práticas. É o típico gestor que se guia pelo feeling, pelo que sente e não por uma estratégia maior. E o Flu precisa de uma gestão que se preocupe com detalhes, que saiba gerir e que não somente tenha um planejamento mas que o saiba implementar. E não vejo esse perfil de liderança no Celso.

Já o Mário, acredito que também tenha gente de bem em seu grupo de apoio. Conheço pessoalmente três que o apóiam e sei que pelo menos dois são pessoas realizadas e que não querem e nem precisam do Flu para nada. Mas o Mário tem o que todos sabemos: uma personalidade que confunde força com vaidade. É um líder que, pelo que testemunha quem trabalhou com ele, tem um perfil que mais desune e divide do que une. Tem uma dificuldade enorme de administrar os conflitos de interesses e éticos. E nisso não faço nenhuma acusação sobre sua honestidade mas sim sobre como lida com esses conflitos. E num clube que precisa mais que nunca ter uma governança corporativa forte, não há espaço para conflitos ou dúvidas. Ele representa tudo que não quero para o clube. Não quero estrelas, individualismo, confusão. Quero um clube de paz, vitórias e sucesso com finanças ordenadas e pessoas que se foquem somente no melhor pro clube.

Dessa maneira, decidi que seguir no grupo de apoio ao Cacá e confiar no que ele considerou como a melhor estratégia pensando no bem do clube, é o mais recomendado. Não existem sobre o Cacá e Diogo qualquer suspeita, acusação ou macula. São pessoas de bem e que pensam única e exclusivamente em construir o Fluminense do futuro. Unindo as pessoas e gerindo o clube com competência.

Para finalizar deixo uma frase de Sun Tzu, mestre da estratégia:

“Não é preciso ter olhos abertos para ver o sol, nem é preciso ter ouvidos afiados para ouvir o trovão. Para ser vitorioso você precisa ver o que não está visível.”

16 de novembro de 2016

Nota Oficial Esperança Tricolor

Amigos tricolores, muito tem sido dito desde a tarde de ontem quando foi efetivada a junção das chapas de Cacá Cardoso e Pedro Abad.

Como fundador desse grupo, me sinto na obrigação moral, com todos os que nos admiram e sempre nos seguiram desde nossa fundação há aproximadamente 3 anos, em detalhar e explicar algumas coisas.

Como já esperávamos, haveria manifestações que explorariam uma suposta contradição nossa. O que posso dizer é que não há nada disso, MUITO PELO CONTRÁRIO! E explicarei nossa posição a seguir.

Nosso grupo sempre se notabilizou por ser um grupo acima de tudo apaixonado pelo Fluminense, um grupo mesclado entre jovens e sêniores, de todas as classes sociais e que encontra sua familiaridade em sermos todos oriundos das arquibancadas.

Sempre fomos oposição a tudo que entendemos estar errado dentro do clube que amamos. Mesmo de longe (e muitas vezes sem o poder de sermos ouvidos), SEMPRE lutamos pelos direitos do Fluminense e pelo que julgamos ser o correto para o clube. Isso foi, é e sempre será IRREVOGÁVEL.

A partir do momento que as eleições se aproximavam, o Esperança Tricolor deixou de ser um grupo independente de oposição e se juntou ao grupo MR21 e a outros grandes tricolores, formando um grande bloco chamado VERDADE TRICOLOR. Após longos meses de trabalho e dedicação ao Fluminense, nos juntamos ao Grupo Flu 2050 e formamos a chapa FLUMINENSE UNIDO & FORTE. Nascia ali a terceira via...

Desde que aderimos à posição de estarmos na terceira via (e nos enxergarmos dessa forma), nosso discurso sempre foi de unir o clube. Unir sempre em prol do clube. Conversamos com diversas pessoas nesse caminho e vimos na figura de Diogo Bueno e Cacá Cardoso, as pessoas que refletiam tudo o que sempre pensávamos ser o melhor para o Fluminense.

Apresentamos sem sombra de dúvida o melhor plano de gestão, com grandes quadros em todas as áreas e continuamos a tentar o diálogo com todos os grupos, pois todos eles perceberam em nosso projeto algo inovador e muito benéfico para o Fluminense.

Acontece que o ego e os conflitos éticos impossibilitaram a aproximação com qualquer outro candidato.

Fomos procurados pelo candidato Pedro Abad e tivemos uma conversa franca, honesta, onde colocamos todos os pontos que mereciam atenção e compromisso para se cogitar um possível acordo.

Acordo esse em PROL DO FLUMINENSE!

Dadas as condições que se apresentaram, rejeitarmos um acordo por medo de pré-julgamentos em detrimento de um futuro melhor para o Fluminense, seria a total negação da nossa concepção e existência.

Dentro dessa conversa ficou estabelecido que os rumos do Fluminense agora serão decididos de forma compartilhada, transparente e igualitária, refletidos na composição do conselho deliberativo, nas posições a serem ocupadas no conselho diretor e principalmente na execução do plano de gestão apresentado pela chapa Fluminense Unido & Forte.

Assumiu-se um compromisso por escrito com tudo que foi discutido e acertado, demonstrando assim a total intenção de se fazer um novo Fluminense, onde o que se acorda se cumpre!

Frise-se que sempre reconhecemos os importantes feitos da atual gestão do clube, tal como a construção do Centro de Treinamento, a garantia de direito a voto por parte do sócio torcedor, o contrato inicial feito com o Maracanã e os incentivos feitos à Xerém, mas não abrimos mão da nossa posição crítica à atual gestão EM MOMENTO ALGUM! Principalmente na condução do futebol nesses últimos 3 anos, condução essa que teve como responsável principal o outro candidato, Sr. Mario Bittencourt.

A grande diferença que ocorre a partir de agora, é que teremos a real oportunidade de ajudar o clube na forma que surtem efeitos práticos, que é do lado de dentro.

Teremos um conselho deliberativo atuante, composto por pessoas capazes de brigar sempre pelos interesses do Fluminense acima de qualquer interesse pessoal ou político.

Teremos uma gestão profissional com grandes nomes em todas as funções.

Estaremos totalmente focados em ajudar o Fluminense a crescer ainda mais e se por ventura as coisas caminhem para um lado errado, estaremos lá para fiscalizar, cobrar e lutar para que retornem ao caminho correto.

O clube precisa de união para enfrentar as dificuldades que o futuro reserva, já começando por essa eleição que será duríssima contra um adversário que representa tudo de mais deplorável no quesito ética/interesses escusos que podem nos levar à um caminho sombrio e talvez sem volta.

Portanto é por isso que no próximo dia 26/11 eu e o grupo Esperança Tricolor votaremos pelo futuro grandioso do Fluminense, votaremos pela união do Clube, votaremos pela continuidade do que deu certo na figura de Pedro Abad e votaremos pela mudança de tudo que deu errado na figura de Cacá Cardoso.
Por isso votaremos pela vitória de Pedro Abad e Cacá Cardoso. 

Saudações Tricolores. 

Marcelo Souto

17 de outubro de 2016

FLUMINENSE UNIDO E FORTE

Estimados,

O Esperança Tricolor desde que surgiu buscou se posicionar como um grupo propositivo e que se oferecia como um elemento de oxigenação do clube. Um grupo formado por pessoas sem o menor interesse pessoal, sem vaidades e que não visam se locupletar financeiramente através das receitas e negócios inerentes ao dia a dia num clube gigante como o nosso, muito menos exercer cargos por exercer sem ter a competência necessária. 

Fomos os primeiros a lançar um pré candidato, André Horta, pessoa de currículo ilibado, com o Fluminense no DNA e que sempre se dedicou ao futebol. Em conjunto com o lançamento da pré candidatura apresentamos nosso planejamento. Preparamos um material extenso, profissional e detalhado e mais do que isso: não o consideramos nossa propriedade mas sim do Fluminense e por isso o tornamos público em nossas mídias e o disponibilizamos no YouTube. E hoje nos dá prazer ver que alguns candidatos não apoiados por nós, usaram nossas idéias em "seus projetos". 

Ao longo do caminho nosso grupo cresceu, amadureceu, se reuniu com vários grupos, já que não acreditamos numa oposição dividida. A divisão só favorece ao grupo da atual gestão e entendemos que o clube vive um momento muito crítico aonde precisa de união de forças.

Nosso grupo decidiu se unir ao MR21 no apoio ao Pedro Trengrouse, pessoa do bem, de caráter e profundo conhecedor de gestão esportiva. Nos orgulhamos de em tão pouco tempo de existência termos caminhado ao lado de pessoas como o André e o Pedro que temos certeza absoluta têm muito a contribuir com o clube. Infelizmente o Pedro não pôde seguir na caminhada como o candidato oficial e num gesto de muita grandeza decidiu seguir no grupo de apoio suportando uma nova candidatura: Cacá Cardoso e Diogo Bueno.

E o Esperança mantendo sua coerência de estar ao lado de pessoas competentes, honestas, educadas e que visem única e exclusivamente construir o Fluminense do futuro, decidiu se unir aos grupos de apoio a essa candidatura. Uma candidatura humilde, baseada em propostas e que se preocupa com o Fluminense.

Temos certeza de que cada vez mais tricolores se unirão em torno dessa idéia. Aqui não há estrelas e sim um grupo de pessoas unidas para profissionalizar o Fluminense. Pessoas que entendem de gestão, que sabem a importância da governança corporativa nos atuais modelos de profissionalização do futebol, que respeitam as tradições do clube e que valorizam os esportes olímpicos. 

Planejar e ter projeto é muito fácil. Pode até copiar. Mas saber como implementar e ter a inteligência e vontade política de atuar, faz a diferença. Nós apoiamos quem pensa, sabe executar e faz. Sem falsas promessas e devaneios. Por um Fluminense moderno, forte e de sucesso vamos juntos nessa campanha. Cacá e Diogo!

19 de setembro de 2016

(DES)Organização

Organização. Imaginem se, mesmo jogando dinheiro fora como jogou na montagem do atual elenco, o Fluminense de 2016 fosse organizado. Se tivéssemos um VP de Futebol comprometido e 100% dedicado ao clube (alguém aqui já viu alguma entrevista dele? A torcida sabe seu nome?). Se nosso diretor de futebol fosse um profissional de pulso e presença.

Imaginem se ao saber desde 2009 que o Brasil seria sede das Olimpíadas, o Fluminense tivesse se planejado e resolvido como ter um estádio em 2016, fosse reformando Laranjeiras ou adaptando Edson Passos. Ou quem sabe aproveitando os investimentos da Copa 2014 tivesse conseguido entrar nos incentivos e feito um estádio para 30 mil pessoas...

Imaginem se tivesse tido tino comercial e se antecipasse a um evidente rompimento com a Unimed e já negociasse patrocínio master com empresas sólidas. Se tivesse encontrado um fornecedor de material igualmente sólido e confiável.

Se desse ao elenco tranquilidade para trabalhar e investisse uma parte do que gastou com jogadores fracos para terminar o CT. Imaginem esse clube organizado, bem administrado, sem se preocupar com factoides e ações marketeiras para iludir o torcedor.

Talvez hoje quem estivesse sentindo cheirinho de título fossemos nós. Se faltando tudo acima estamos em sexto, imaginem organizados e com um treinador motivado e mantendo o Fred no elenco, já que o mesmo saiu como consequência da bagunça generalizada e falta de comando. A bola pune e às vezes entra apesar de tudo. Sigamos torcendo. Primeiro pelos 46 pontos, algo com o que nós torcedores de um gigante não deveríamos nos preocupar. E depois vemos o que mais esse time irregular e desgovernado nos pode trazer. No meio de semana temos Copa do Brasil. Torceremos pela classificação. Apesar da bagunça chamada gestão Flusócio.